Como desacelerar o declínio do seu cérebro, usando a linguagem

Então, o título pode parecer um pouco deprimente, mas temos ótimas notícias para vocês! Elas envolvem uma maravilhosa aventura de descoberta e de aprendizagem. E são a resposta para um dos pequenos problemas da vida: o nosso cérebro começa o seu declínio a partir dos 27 anos de idade. Esse fato triste é frequentemente seguido por problemas cognitivos que não tínhamos quando jovens.

Por exemplo, você vai até o quarto para pegar… o que era mesmo? Você não lembra o que foi buscar lá. Tá aqui, na ponta da língua, na beira do cérebro, mas você não consegue lembrar. Eu brinco sobre isso como sendo uma “memória RAM”, do mesmo tipo que um computador usa. O seu cérebro está tentando buscar uma memória específica, mas está fazendo isso de forma aleatória. É engraçado porque os computadores são menos propensos a problemas de memória.

Mas a coisa piora, lamento dizer.

Em nosso declínio no funcionamento cognitivo, podemos inevitavelmente atingir a senilidade. Ou, ainda pior, demência. É um pensamento assustador! Afinal, sem o nosso cérebro, o que somos? É nossa personalidade, nosso ser, e como nós existimos no mundo. E, pior ainda, quando o declínio leva à demência, nossas vidas se tornam assustadoras. Com um sentimento constante de desorientação, sem saber o que está acontecendo, e o que era familiar vai se tornando desconhecido e apavorante.

Mas há esperança.

O declínio inevitável não precisa ser tão catastrófico. Na verdade, pode ser apenas um inconveniente, só aquelas coisas irritantes do dia a dia como “onde raios deixei minhas chaves?”. E como? Bem, o cérebro, sob muitos aspectos, é como um músculo (apesar de ser um órgão, e não um músculo, claro). Precisa de exercícios para manter sua força.

E a força, nesse caso, é a perspicácia mental, a memória de curto prazo e a manutenção vital da memória de longo prazo.

É aqui que entram os exercícios mentais. Sabemos que jogos como palavras cruzadas, xadrez ou sudoku são ótimos para o cérebro. Se você tem costume de fazer isso, muito bem! Atividades como essas são uma excelente maneira de estimulação mental. Mas qual é o melhor e mais potente exercício cerebral que existe?

É muito simples. Aprender uma nova língua. Embora falar uma nova língua possa parecer meio intimidante, pense nos benefícios. Quando você aprende uma nova língua, especialmente se você é uma pessoa monolíngue (só conhece uma língua), você está desenvolvendo uma nova maneira incrível de pensar.

É como se fosse um novo sistema operacional

Pense nisso desta forma. Você, claro, tem um computador ou um smartphone (afinal, você está lendo esse texto, não?). Esse dispositivo vem com um sistema operacional. E, muito provavelmente, é o sistema operacional Windows. Ou também pode ser o macOS (que roda em computadores da Apple). Ou Android (para a maioria dos smartphones) ou iOS (para iPhones).

São estruturas que funcionam de forma completamente diferente. Você vai notar isso se mudar de um para o outro. Às vezes, demora para se acostumar. A maioria das pessoas escolhe um como favorito, e só usam esse.

Mas qual o sentido dessa metáfora? As línguas são como os sistemas operacionais. Há muita complexidade quando se trata de uma língua. Que vão desde as diferenças no alfabeto, até o significado de suas palavras e fraseologia. É por isso que às vezes pode ser difícil traduzir um livro com precisão de um idioma para outro sem perder algo. Pense na expressão “perdido na tradução”. Isso ocorre porque as línguas que estão sendo traduzidas são intrinsecamente diferentes. Elas são o seu próprio “sistema operacional”.

Inscreva-se para receber nosso boletim

Aprenda gírias do hebraico, faça um passeio virtual por Israel, descubra a melhor comida local e muito mais

Campo obrigatório
Campo obrigatório

Nossas funções cognitivas exigem um sistema operacional

Como você conseguiria pensar se não soubesse nada, nem o português? (Ou espanhol, ou russo, ou seja lá qual for a sua língua materna)? Os meandros da linguagem constituem os fundamentos do pensamento.

Então, quando você aprende um novo idioma, essencialmente, você está recebendo um sistema operacional totalmente novo, que vem ficar junto com o seu sistema operacional atual. Se você é um falante de português e aprende hebraico, de repente você tem duas maneiras completamente diferentes de pensar (ou de operar seu processo de pensamento). Pense em coisas como ditados, expressões idiomáticas e nuances de palavras ou frases que podem ter mais de um significado. Essas são coisas únicas do grupo cultural que gerou a língua.

Ao aprender uma língua, você estará fazendo um ótimo exercício de estimulação cerebral. O que você está fazendo com o seu cérebro é o equivalente a um triatlo: ler, escrever e falar uma nova língua. Isso pode parecer muito penoso, um esforço maior do que o que ele vale. Mas aí você se lembra que a demência pode ser o resultado de você não se esforçar.

Como aprender uma nova língua é mais fácil do que suar na academia.

Na realidade, esse “triatlo” pode ser muito mais fácil do que parece. Especialmente quando você aprende uma nova língua através de uma escola on-line ao vivo, com professores dedicados a ajudar seus alunos a saírem do domínio do básico, e se tornarem praticamente mestres em linguística. Ao se matricular em uma escola on-line, você tem as ferramentas, o ambiente de sala de aula virtual e a experiência de ensino para fazer da aprendizagem de um novo idioma uma aventura.

É o melhor dos dois mundos: você se diverte no conforto da sua própria casa enquanto estimula intensamente o seu cérebro. Você está fazendo novas conexões entre os neurônios, conhece novos amigos e desenvolve novas formas de pensar. O que inclui incríveis habilidades de resolução de problemas, melhoria da saúde cerebral, aumento da acuidade mental e uma grande “freada” no processo de declínio cognitivo. Além disso, pense na diversão que será surpreender de repente as pessoas com as suas novas habilidades.

Pessoalmente, seja qual for a sua primeira língua, recomendamos o hebraico como uma segunda, porque ele tem uma construção muito diferente de muitas línguas europeias e asiáticas. E tem uma complexidade necessária: é uma língua com muita profundidade. Isso tornará a visita a Israel uma experiência encantadora e envolvente, se você tiver essa vontade.

Felizmente, oferecemos o ambiente de aprendizagem on-line perfeito para aprender. Do iniciante ao intermediário e ao avançado, nossos cursos são uma ótima adição à sua rotina semanal, algo que você pode aguardar ansiosamente uma vez a cada sete dias, por cerca de nove meses.

Faça um grande favor ao seu cérebro, que é essencialmente você, e inscreva-se em um dos nossos cursos hoje mesmo. Tornamos a aprendizagem de uma nova língua algo divertido, estimulante e envolvente. Afinal, é a melhor maneira de fazer com que o seu cérebro tenha uma atualização de software operacional.

Sobre o autor

Anthony FreelanderAnthony Freelander é um eterno estudante de linguística e história. Seu interesse pelo hebraico vem de uma conexão profunda com essa bela língua e com seus falantes. Ele escreve profissionalmente desde 2005.

Talvez você também se interesse em:

6 Coisas Que Você Precisa Saber...

Por Anthony Freelander

Como O Hebraico Nos Uniu Novamente

Por Anthony Freelander

Join the conversation (No comments yet)

Leave a Reply